Colômbia investe em tecnologia e se torna um dos países que mais cresce na América Latina

O próximo ciclo do StartOut Brasil terá como destino a Colômbia, um dos países que mais cresce na América Latina devido as diversas iniciativas governamentais existentes para atrair investimento internacional. Com novos recursos, desde 2018 a região vem desenvolvendo seu potencial tecnológico e incentivando o crescimento de startups, como a Rappi, unicórnio com grande atuação também no Brasil.

Mostrando que está apostando no empreendedorismo, o Governo oferece quatro iniciativas públicas: o programa INNPulsa, que promove o desenvolvimento e investimento de negócios; a Invest Pacific, uma organização que visa atrair negócios para Cali e a Costa do Pacífico da Colômbia; o Apps.co, destinado a impulsionar startups de ciência e tecnologia e o acelerador RutaN, que apoia startups com financiamento e orientações em Medellín.

Além disso, o país também conta com 38 fundos de investimento, como Polymath Ventures, Capitalia Colômbia, Condor, Impulsum Ventures e InQlab, e diversos programas de aceleração, como HubBog, Creatic, ParqueSoft, Macondolab e Corporacion Ventures.

Atualmente, a Colômbia vem chamando a atenção por seus centros tecnológicos, localizados em Bogotá e Medellín, cidades que serão exploradas pelo StartOut Brasil no ciclo cujas inscrições ficam abertas de 10 de agosto e 8 de setembro no site https://www.startoutbrasil.com.br/

Bogotá

Estrategicamente localizada para promover relações transfronteiriças, a capital colombiana é tida como centro de inovação tecnológica do país. Segundo o estudo The Global Startup Ecosystem Report 2020, a cidade está na 6ª posição no ranking dos Top 100 Ecossistemas Emergentes.

Em termos de atratividade para startups, a pesquisa Invest in Bogota aponta que no local existem ao menos 28 fundos e bancos de investimento de risco, 11 empreendimentos corporativos e cinco redes de investidores-anjo que participam ativamente de processos de crescimento e dinamismo das empresas.

A região também abriga 32% das empresas do país, 56% das transações financeiras nacionais e conta com um mercado de mais de 11 milhões de pessoas, de acordo como o Invest in Bogotá.  Se tratando de economia, Bogotá apresenta uma das menores taxas de inflação da América Latina e é vista como é uma cidade favorável aos negócios.

A sede do unicórnio Rappi disponibiliza ainda aos empreendedores espaços de coworking, incluindo Carpe Diem House, Colabora, El Cluster Coworking Hub, House Lab e AtomHouse, sem contar as duas das três principais universidades da Colômbia – Universidade Nacional da Colômbia e Universidade de Los Andes -, oferecendo jovens talentos altamente qualificado para empresas em crescimento.

Medellín

A segunda maior cidade da Colômbia atrai investidores que procuram um crescimento explosivo, pois é nela que se localizam empresas de capital de risco, como Firstrock Capital e Capitalia. Assim como Bogotá, ela também oferece diversos espaços de coworking, incluindo La Casa Redonda, NODO Coworking, Quokka Cafe Coworking e AtomHouse Medellin.

A região começou a ganhar destaque em 2016, quando criou o Distrito de Inovação de Medellín, um projeto de mais de 172 hectares que gerou mais de 2,9 mil empregos atraiu centenas de empresas oriundas de 23 países. Hoje, abrigando aproximadamente 11 mil pessoas, o laboratório de vida e negócios conta com quatro universidades, 48 instituições da área de ciência, inovação, tecnologia, saúde e cidadania, e 115 importantes empresas locais e estrangeiras.

Atualmente, com o objetivo de incentivar a criatividade, a cidade investe em parcerias com empresas e instituições, infraestrutura, espaços educacionais e a economia criativa. Lá também foi implantado o programa Ruta N para fomentar a inovação, além de iniciativas governamentais que estão contribuindo para diminuir as desigualdades econômica e social de Medellín.

Se você quer saber mais sobre esse intrigante ecossistema, inscreva-se no StartOut Brasil!

2020-08-11T14:04:21-03:00